O alumínio como adjuvante nas vacinas contra o coronavírus

adjuvante

O termo “adjuvante” significa o uso de um medicamento ou matéria que deve ser utilizada para reforçar o funcionamento ou ação de uma outra substância no combate aos antígenos, especialmente para aumentar a produção dos anticorpos. Nunca se falou tanto sobre aspectos que garantem uma boa imunidade e da importância das vacinas como durante a pandemia do coronavírus.

Mas você sabia que o alumínio desempenhou um papel fundamental nessa luta contra o vírus? 

O alumínio entrou em cena para apoiar a produção de vacinas e aumentar a potência do imunológico no organismo das pessoas. Poucos sabem, mas essa não é a primeira vez que essa substância assume esse papel na medicina. 

Há mais de 80 anos que o alumínio vem sendo utilizado para a produção de vacinas. A razão é simples: ele age como adjuvante e garante uma maior produção de anticorpos e potência da ação da vacina para uma resposta imunológica mais rápida e eficiente. 

Apesar desse histórico bastante sólido do uso do alumínio na produção de vacinas, é normal que algumas pessoas se sintam receosas ou não entendam muito bem qual o papel da substância na produção de anticorpos. Separamos neste guia completo, tudo o que você precisa saber sobre esse assunto. Continue a leitura e confira!

O que é adjuvante? 

O adjuvante ou adjuvante imunológico é, de maneira geral, o uso de um medicamento que irá potencializar a ação de outro. No caso de algumas vacinas, esse “ingrediente” extra é capaz de proporcionar uma resposta imunológica muito mais eficiente e rápida. Além de ter impacto direto com a durabilidade da imunização. 

O uso de adjuvantes na vacinação surgiu como uma forma de tornar mais seguro o processo de imunização. Isso porque a composição do medicamento é formada basicamente por pequenos componentes de germes causadores da doença, atenuados, para não correr o risco da pessoa desenvolver uma reação muito forte. No entanto, essa proteína acaba sendo menos potente e estimulante, e para torná-la mais potente, é necessário um reforço. 

Os sais de alumínio costumam ser esse ingrediente a mais para ajudar a fortalecer e aumentar o potencial imunológico. O principal segredo é utilizar uma dosagem correta, para que a qualidade e outras substâncias presentes na combinação da vacina não sejam anuladas. 

Os principais adjuvantes que uma vacina pode ter são:

  • Hidróxido de alumínio;
  • Sulfato de hidroxifosfato de alumínio;
  • Fosfato de alumínio;
  • Óleo de esqualeno;
  • QS-21;
  • Monofosforil lipídio A;
  • Vitamina E;
  • CpG 1018.

Não é de hoje também que o uso do alumínio na produção de vacinas se mostra presente. Em outras situações ele já foi utilizado para estimular a produção dos anticorpos. Atualmente, a CoronaVac utiliza o hidróxido de alumínio. 

É seguro usar adjuvante de alumínio nas vacinas? 

A resposta mais simples para essa questão podemos dar de cara: sim, é bastante seguro! O principal receio que muitas pessoas têm ao descobrirem sobre o uso do hidróxido de alumínio na vacina contra a Covid-19 é em relação ao magnetismo que pode acarretar. 

No entanto, especialistas afirmam que a quantidade utilizada da substância não é suficiente para causar dano algum à saúde. O exemplo mais recente (e popular) que temos atualmente, é o uso dos sais de alumínio na CoronaVac, vacina desenvolvida pelo Instituto Butantan (que inclusive veio a público para esclarecer as dúvidas em relação ao adjuvante) em parceria com a biofarmacêutica chinesa Sinovac . 

O alumínio como adjuvante na CoronaVac pode fazer mal à saúde? 

De acordo com o Instituto Butantan, o uso dos sais de alumínio não é prejudicial à saúde e já vem sendo usado há décadas, inclusive em outras vacinas que já foram utilizadas e têm eficácia comprovada ao longo da história. 

O alumínio serve como uma espécie de “alerta” ao sistema imunológico e o força a aumentar a produção de anticorpos, que muitas vezes, só o vírus atenuado, não é capaz de estimular. Até o momento, o uso desse adjuvante não apresentou nenhum efeito colateral para o usuário. 

Outras vacinas já utilizaram sais de alumínio na composição?

Como dissemos anteriormente, não é a primeira vez que os sais de alumínio são utilizados como adjuvantes de uma vacina. Na verdade, essa é uma receita bastante antiga que provou sua eficácia ao longo dos anos – e que até o momento, em relação à CoronaVac especificamente, vem mostrando bons resultados. 

A seguir, separamos as principais vacinas que utilizam sais de alumínio para potencializar a resposta imunológica:

  • Vacina contra tétano e difteria; 
  • Vacina contra coqueluche;
  • Vacina contra poliomielite;
  • Vacinas contra hepatite A e B;
  • Vacina contra o HPV;
  • Vacina contra meningite;
  • Vacina contra Streptococcus pneumoniae;
  • Vacina contra a Covid-19.

Todas essas vacinas têm se mostrado eficazes no combate à doenças diversas, e o uso do alumínio é essencial para garantir máxima proteção. A Coppermetal acredita no potencial desse adjuvante e está sempre comprometida a oferecer informações e matérias-primas de qualidade para seus clientes.

Continue acompanhando o nosso blog para ficar sempre por dentro das novidades e tirar suas dúvidas!