O recorrente aumento do aço e seus impactos industriais

aumento do aço

A Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) divulgou um novo aumento do aço no Brasil que passou a valer desde abril deste ano, sendo de 10% para alguns tipos de aços, 11,25% para folhas metálicas – utilizadas em embalagens diversas – e 15% para vergalhões. Agora para maio, a organização também se manifestou e prevê que o preço irá subir mais uma vez, com reajustes que podem ir de 12% a 15%.

A série de reajustes no preço vem acontecendo desde 2020 e tem impactado diferentes segmentos da indústria. Além disso, existem várias razões para o aumento do aço, como o cenário econômico atual, a desvalorização do dólar e a matéria-prima que está mais cara no exterior.

Mas na contramão deste cenário, o segmento industrial vem se aquecendo cada vez mais e a necessidade de comprar matérias-primas metalúrgicas caminha lado a lado com essa aceleração.

Por que o preço do aço subiu? 

A recessão econômica no Brasil se fortificou em razão da pandemia do coronavírus. Se antes os brasileiros já sofriam com alto índice de desemprego, essa realidade se tornou ainda mais dramática em 2020.

Você deve estar neste momento se perguntando a relação entre isso e o aumento do aço, mas a verdade é que mesmo o público empresariado perdeu poder de venda no último ano, e foi impactado pela crise também.

Além disso, as ações políticas, sociais e ambientais impactam diretamente na percepção do Brasil no exterior, e o cenário político conturbado foi um dos motivos para o aumento considerável do câmbio. Aliado a isso, a China, uma das maiores exportadoras de aço para o Brasil, passou a reduzir a demanda de extração do metal na natureza, pressionada pelas ações sustentáveis no país.

Logo, a baixa produção valoriza o produto, que acaba ficando muito mais caro. E para completar, a China está dando preferência em ofertar sua matéria-prima internamente e não para fora. 

Segundo o diretor da CSN, o preço da bobina a quente, por exemplo, está sendo negociado na China por US$ 760 a US$ 780 a tonelada para exportação. 

Especialmente por causa da pressão ambiental que a China vem sofrendo, a subida do preço foi bastante elevada. Em Tangshan, por exemplo, o aumento do aço chegou a US$ 62 a tonelada. 

Como se já não bastasse, o dólar está em uma média bastante alta, acima de R$ 5, o que dificulta para as empresas brasileiras a exportação e o repasse a um preço competitivo. 

A boa notícia é que o mercado brasileiro já vem dando, desde o final do último ano, passos largos para uma recuperação na indústria. De acordo com o Inda (Instituto Nacional dos Distribuidores de Aço), a antecipação de feriados e outras medidas do governo para manter o isolamento social e frear o avanço da Covid-19 podem ter ajudado o setor no curto prazo.

Por que o aumento do aço impacta outras indústrias?

Se pudermos fazer uma análise superficial entre os segmentos da construção civil, empresas automobilísticas e agroindústrias, você conseguiria identificar quais são as semelhanças? 

O consumo do aço é com certeza uma intersecção entre esses e tantos outros setores da indústria. 

Logo, com essas empresas retomando suas operações, o consumo de aço também cresce. De acordo com o Instituto Aço Brasil, o consumo aparente da matéria-prima deve crescer 5,8%, o que corresponde a 22,44 milhões de toneladas.

O aumento do aço preocupa nesse sentido, afinal, empresas de pequeno e médio porte irão sofrer com os preços elevados. E claro, o repasse para o consumidor final também terá preços menos atrativos. 

O segmento automotivo, por exemplo, está com 25% em alta na produção de carros e 15% nas vendas de 2021. A construção civil também está aumentando sua operação para diversos setores – comerciais, residenciais e logísticos. 

Isso demonstra que mesmo com o aumento do aço a operação não pode travar, certo?

Prova disso é que, apesar da recessão do consumo de aço em comparação aos primeiros meses de 2021, as compras feitas por distribuidores da matéria prima tiveram aumento de mais de 5%, em março em comparação ao mesmo período de 2020, o que correspondeu a 321,9 mil toneladas.

Onde comprar aço?

O aumento do aço é um assunto que preocupa o mercado, mas a boa notícia é que a Coppermetal continua fornecendo o material de qualidade e muita rapidez para seus clientes. 

Com quase 3 décadas de comprometimento com os mais diversos segmentos da indústria, a Copper está sempre pronta para atender as necessidades do mercado. 

Quer contar com aço de qualidade para o seu negócio? 

Então entre em contato e solicite um orçamento personalizado!